Existem coisas que acontecem pela última vez.

Esses momentos acontecem todos os dias com os nossos filhos.
E nós não conseguimos prever quando isso vai acontecer, pois não?

Quando será a última vez que a tua filha te chama para a ajudares a tomar banho?
Quando será a última vez que o teu filho te pede aquela história que já contaste 523 vezes?
Quando será a última vez que vais cortar as unhas aos teus filhos?
Quando será a última vez que a tua filha te pede para lhe secares o cabelo?
A última vez que o teu filho te pede ajuda numa piscina, ou no mar!

Existem tantas últimas vezes.
Elas acontecem a todo o instante. E nós não temos como saber. Só conseguimos perceber quando falta esse momento.
Quando nos lembramos e dizemos, deixa que eu seco-te o cabelo! E ela diz:
– Deixa estar, eu seco!
Quando dizes, hoje vou-te deitar e ele responde:
– Deixa estar pai, ainda tenho umas coisas para terminar!
Já foi. A última vez já foi! Quando foi?

Aí vais procurar. Eu vou procurar! Foi na passada semana? Foi no mês passado? Quando foi? Não me lembro… como é possível não me lembrar?

Existe uma expressão no mundo do Mindfulness que nos propõe, viver as coisas como se fosse a primeira vez, viver com mente de principiante.
Enquanto pai gosto de outra abordagem. Gosto de fazer as coisas como se fosse a última vez. Enquanto faço algo que pode ser a última vez aproveito tanto.
Tento agarrar todos os pormenores, o cheiro, a imagem, o olhar deles, o toque, as sensações, tudo o que está presente naquele momento. E depois guardo.
Guardo, para o caso de ter sido a última vez. Assim o momento está cá, guardado na memória e poderei aceder a ele quando o meu filho/a responder:
– Deixa estar, eu faço!

Não, não penses que o faço com nostalgia, saudade ou qualquer tipo de remorso, faço-o por prazer. E até com um pouco de egoísmo, confesso! ☺️

Cada vez que ouço essa frase (- Deixa, eu faço!) imagino uma escadaria e visualizo cada um deles a subirem mais um degrau. Mais um degrau que os levará à sua independência, à sua liberdade, à sua melhor versão e a todo o seu potencial.
Eu sou um facilitador, só isso. Um facilitador feliz.

Feliz por eles e feliz por mim!

Artigos Relacionados

“Já te disse 500 vezes!”

“Já te disse 500 vezes!”

Num daqueles momentos que todos conhecemos enquanto pai, disse para a minha filha:- Já te disse 500 vezes…A minha filha, que já percebeu como isto funciona há muito tempo, respondeu:- Pois pai, aparentemente não está a funcionar pois não? Provavelmente muitos pensarão...

Onde nós, os pais, temos mais dificuldade

Onde nós, os pais, temos mais dificuldade

Pedimos desculpa, procuramos conexão, observamos e depois? Depois o que fazemos? Depois vem o ponto onde nós, os pais, temos mais dificuldade… Dizer o que sentimos. Entram em ação uma série de crenças, capas, máscaras e ideias que nos afastam (homens e pais) de dizer...

Pai, posso fazer uma pergunta?

Pai, posso fazer uma pergunta?

- Pai, quando os adultos dizem que aprendem connosco, crianças, como é que isso é possível? Os adultos já viveram muitos anos e já aprenderam muitas coisas, leram muitos livros, tiveram muito mais experiências, como é que nós podemos ensinar coisas aos adultos. Não...